OGUM E SUA LEI

OGUM E SUA LEI

Bom dia família! Hoje seria o santuário de Ogum com a minha firmeza junto com alguns irmãos. Na conexão com essa energia e bem conectada com os últimos acontecimentos em nosso país, me veio uma reflexão…

Ogum rege a Lei e a Ordem. Fiquei pensando, que Lei e que Ordem são essas?
Gosto muito de filosofia e Foucault é um dos filósofos que estudo… ele tem um livro que chama “o governo de si e dos outros” e discorre sobre alguns temas da filosofia grega. Um ponto que me chama a atenção e que consegui fazer a ligação com Ogum, já que ele é o nosso comandante por excelência, é esse: como governar o outro quando não se governa a si mesmo?

Isso se aplica a tudo, a todos. Exemplos de nosso dia a dia: como ensinar ética para meus filhos e exigir deles essa postura se o meu comportamento é antiético o tempo inteiro? Como um professor ensinará matemática se ele não sabe fazer cálculos? Como um psicólogo cuidará de alguém se ele nunca foi cuidado, se ele nunca teve a experiência de ser o próprio paciente? De que adianta tantos títulos (seja em que área for) se eu não tenho especialização de VIDA? Enfim, por mais que isso pareça simples e banal, acredite, não é. Dois conceitos chaves na história da filosofia: conhecimento de si e cuidado de si. O primeiro ficou bastante conhecido: “conheça-te a ti mesmo”. Entretanto esse conceito é intrínseco ao outro: cuida-te de ti mesmo. O que significa? O que todas as entidades nos ensinam. Conhecer a si – por simples que pareça não é tarefa fácil, quantas pessoas andam por aí com a soberba, orgulho, vaidade, declamando verdades e o pior, impondo-as como se fosse o melhor para o outro, sem ao menos saber o que é o melhor para si, sem ao menos saber quem se é. Quantas pessoas andam por aí pregando palavras e agindo de forma contrária a essas mesmas palavras? Isso sem ao menos se dar conta! Quanta alienação, quanta desapropriação de si!!

E ainda, de que ainda tanta teoria se não tenho a vivência prática? De que adianta me conhecer se não faço nada com isso ou para isso? Se ficamos somente no conhecimento de si estancamos no plano mental.
Para se conhecer há de se cuidar (uma coisa sustenta a outra), ou seja, se ocupar consigo mesmo, o que exige tempo e paciência (entre outras virtudes), ocupar-se de atividades para o seu próprio cuidado… (e aí não tem fórmulas, é uma trajetória singular a percorrer!).

Ogum vem nos lembrar da FORÇA e ativar a coragem dessa travessia: a travessia de si. Sim, quanta CORAGEM precisamos ter, para reconhecer o mais sombrio em nós, para nos adentrarmos, nos mergulharmos, muitas vezes nos combatermos… Conhecer a si, cuidar de si, compreender e viver a Lei que nos habita, que nos traz sentido para nossa existência. Uma vez o caboclo de Ogum da Sonia nos trouxe uma mensagem que ficou guardada em minha mente: a maior arma e espada de Ogum é o amor. Ele vence as demandas por essa arma. Na travessia de si, no reencontro com o AMOR que é sempre primeiro consigo (de novo, como amar o próximo se não consigo amar a mim mesmo? Se eu sou o primeiro a me julgar e a me cobrar?). Ogum vem com o seu fogo queimar o que nos impede de evoluir… deixemos que ele queime as vaidades, as soberbas, as cobranças, os julgamentos – principalmente os nossos próprios; para um melhor mundo, vamos começar por nós? Vamos começar por nossas atitudes diárias? Outro conceito que Foucault traz é o de micropolítica. A política não diz respeito somente ao que os governantes fazem em termos coletivos, mas (e aí está o pulo do gato para a tal liberdade!) é o que fazemos em nosso cotidiano, no nosso próprio governo, ações e gestos diários que podem ser resistências do ódio, da falta de respeito e de todos os aprisionamentos morais e tudo aquilo que sufocam a nossa alma. Podemos com nossos gestos revelar o amor e a força de nós mesmos, que Ogum tanto nos ensina. Podemos com nossos gestos reforçar o valor da vida! E para isso, não precisamos de palco ou de reconhecimento alheio, nem comparações, críticas ou elogios, o mais belo é que essa travessia e essa micropolítica se dão de si para consigo, no plano SINGULAR. A micropolítica da existência, existir em sua ética de vida, e se nos dedicarmos a conhecer e a cuidar de si, com AMOR À VIDA, como não emanar isso aos outros? Lembremos: antes de querermos governar os outros (para aqueles que têm essa ambição ou mesmo missão!), vamos governar a nós mesmos, e isso é um trabalho de VIDA!! Que Ogum seja o nosso comandante nessa travessia!

Saravá Ogum

Texto elaborado por de Isadora Di Natale Nobre Filha de Santo do T.E.U.C.PenaVerde  – 25/04/2020.

Sem Comentários

Escreva um Comentário