• Seja bem vindo !

    Este site foi criado com o objetivo de divulgar a Umbanda e seus ensinamentos, atingindo não apenas os que frequentam nosso Templo, mas todos que se interessarem pela religião. Aqui você encontrará textos sobre rituais e normas de nossa Casa, reflexões da nossa Mentora, preleções das Entidades Chefes, temas desenvolvidos por médiuns da Corrente e de Saúde e Medicina Espiritual. Leia Mais
  • Nosso Livro

    O livro "Mensageiros da Espiritualidade" traz relatos ditados pelas Entidades Chefes e pela Mentora Espiritual do Templo Espiritual de Umbanda Caboclo Pena Verde, em um manifesto aos seus filhos, frequentadores e à humanidade, sobre os preceitos e conduta que regem a Umbanda Sagrada nos dias atuais... Leia Mais
  • Conheça nossa página do FaceBook

    https://www.facebook.com/Templo-Espiritual-De-Umbanda-Caboclo-Pena-Verde-212423025776472/ Leia Mais

Iemanjá

 

Definição

Iemanjá é a Majestade dos Mares, Senhora dos Oceanos, Sereia Sagrada, Rainha das águas salgadas, considerada como mãe de todos os Orixás. Protetora daqueles que vivem do mar, como pescadores, jangadeiros, marinheiros. Senhora das ondas, dos maremotos, da pesca. Seu nome Iemanjá em Iorubá significa “Mãe cujos filhos são peixes”.

Iemanjá rege a Geração e seu campo de atuação é a maternidade. Atua na proteção à família, sua união e estabilidade. Representa a fecundidade e a fartura. Ela rege o cuidar, o preocupar, o harmonizar dentro de uma família. 

É ela quem vai reger nossos lares, nossas casas, é a geradora do sentimento de amor que vai dar sentido e personalidade ao grupo familiar. É a base da formação de uma família, aquela que vai gerar o amor do pai pelo filho, da mãe pelo filho, dos filhos pelos pais, transformando tais sentimentos em um só, coeso, poderoso, imbatível, que se perpetuará. Ela é o sentido da união, seja ligada por laços consanguíneos ou não. É a preocupação e o desejo de ver aquilo que amamos a salvo, sem problemas. É a manutenção da harmonia do lar. É a senhora do perdão, do amor incondicional, o amor de mãe para com seus filhos. 

É ela quem apara a cabeça do bebê em seu nascimento. Exu fecunda e Oxum cuida da gestação, mas é Iemanjá quem recebe a nova vida no mundo e a entrega para o Orixá que será o seu regente, e a partir daí é Ela quem cuida da família. Daí o título de Iyá-ori (mãe de cabeça), a plasmadora de todas as cabeças, aquela que rege o ori, que nos dá o sentido da vida e nos permite pensar e viver como seres inteligentes. 

É a energia que estimula as experiências criativas, o impulso à criatividade, ao instinto de prazer e a reprodução sexual, relacionada à geração e proteção da vida, mas também a geração no sentido de novos investimentos e projetos, novas relações ou mesmo qualquer origem e criação de ideias, pensamentos, sentimentos e ações. Através de Sua influência os seres encarnados buscam experiências e emoções que trarão a energia necessária para compor o equilíbrio emocional tão necessário para a continuidade da vida e superação dos obstáculos e problemas encontrados.

O elemento água abrange tudo que se refere ao sentimento e a emoção, abarca desde a paixão mais arrebatadora até a mais sutil das emoções; Iemanjá é responsável pelo cuidado e amor nos níveis pessoal, familiar e social. 

Iemanjá é a representação maior da energia e poder emanados pela vastidão das águas. Sua água contém o sal que limpa e protege, que nos equilibra. Tem sob sua regência energias que se assemelham pela força e estreito sincronismo com a grandiosidade do elemento água, tais como Janaína, Deusa das Pérolas. 

Arquétipo – Características das filhas de Iemanjá

As filhas de Iemanjá terão o sentimento presente na base de qualquer decisão ou pensamento, são muito sensíveis, necessitam estar envolvidas emocionalmente com tudo a sua volta, adoram a vida familiar e dela tiram seu gosto de viver. 

São generosas, de tendência maternal, preocupam-se com os outros, porém são facilmente irritáveis e instáveis, seu humor ou ânimo dependerá de suas vontades de momento, assim como é o mar: podem apresentar a calmaria, mas também grandes tempestades.

São fortes, rigorosas, protetoras, justas, sérias e algumas vezes impetuosas e arrogantes, custam muito a perdoar uma ofensa e, se perdoam jamais a esquecem.

São dadas à fuga, no sentido de que se forem injuriadas, tentarão sair dessa situação de qualquer maneira, ou fingindo ser quem não são, ou se ajustando a situação que as contrarie, escondendo-se num falso sorriso, esperando apenas o momento certo para darem as costas a situação adversa.

Servem primeiro a sua própria pessoa, primam pela sua individualidade e liberdade, gostam da solidão. Lutam por seus sonhos e vontades. São teimosas em suas ideias. Ela poderá parecer falsa, pois aprende desde cedo a usar todas as artimanhas para fazer prevalecer suas vontades.

Sábia ao lidar com diferentes pessoas e circunstâncias, tendo a capacidade de se adequar conforme a situação, porém é comum a pessoa de água mostrar-se fraca: não sabendo administrar seu poder, sentirá necessidade de apoio de terceiros. 

Não tendo facilidade com a lógica e com o pensamento analítico, característicos do elemento ar (que é seu oposto), poderá a vir ser muito insegura.

Ela servirá aos seus até onde não sinta seus ideais ameaçados. Como mãe, criará os filhos como se tivesse pressa de apresentá-los para o mundo; não terá muitos braços para acarinhá-los ou prendê-los, mas terá sempre olhos para intervir e aconselhá-los.

Chacras

São de diferentes opiniões os autores a respeito do chacra que Iemanjá rege.

Todas as Iabás regem o chacra frontal, da sensibilidade. Mas como Iemanjá representa a fertilidade e a geração da vida pode ser vinculada ao chacra sexual. Por ser o mar o símbolo maior de fertilidade, da concepção e do surgimento da vida, associa-se ao princípio sexual da geração. Essas energias são processadas por este chacra cujo elemento é a água, que cria, dá vida com o lodo do fundo do mar. Esse lodo ou lama sempre esteve associado à criação dos seres físicos (Nanã). 

Esse chacra é a base do corpo emocional, o centro das emoções, da identidade sexual, do equilíbrio emocional e físico.

Características

Dia da semana: sábado.

Cor: azul, branco, cristal, verde-água.

Comemoração: 02 de fevereiro, 08 de dezembro, 15 de agosto.

Sincretismo: Nossa Senhora da Imaculada Conceição; Nossa Senhora das Candeias. 

Ponto da natureza: mar.

Domínios: geração, maternidade, proteção.

Elemento: água.

Metal: prata.

Pedras: água marinha, calcedônia, lápis-lazúli, pérola, turquesa.

Planeta: Lua.

Corpo humano e saúde: psiquismo, sistema nervoso, sexual.

Chacra: frontal, sexual.

Bebidas para oferenda: água mineral, espumante branca.

Comidas para oferenda: arroz-doce, canjicas, camarão, mamão, manjares, pudins, peixe, frutas tais como mamão, melão, cereja, laranja lima, goiaba branca, framboesa, graviola, uvas brancas, melancia.

Flores: rosas brancas e azuis, palmas brancas, angélicas, orquídeas e crisântemos.

Ervas: colônia, pata-de-vaca, embaúba, abebê, jarrinha, golfo, rama-de-leite, erva-de-bicho, alecrim, alfazema ou lavanda, anis estrelado, manjericão comum.

Símbolos: Âncora, leme, navio, joia de prata, caramujo, peixe, cavalo-marinho, estrela-marinha, espada, meia-lua, cometa, remo, pérola, concha, macassite de prata, concha de madrepérola, moedas, búzios.

Saudação: Odô Iyá Iemanjá, Ajejê Lodô! Ajejê Nilê! Que significa “Mãe das águas, Iemanjá, pedimos paz nas águas e paz no lar!”.

Lendas

1)Iemanjá ajuda a Olodumaré na criação do mundo

Olodumare-Olofin vivia só no infinito, cercado apenas de fogo, chamas e vapores, onde quase nem podia caminhar. Cansado desse seu universo tenebroso, cansado de não ter com quem falar, cansado de não ter com quem brigar, decidiu por fim aquela situação. Liberou as suas forças e a violência delas fez jorrar uma tormenta de águas. As águas debateram-se com rochas que nasciam e abriram no chão profundas e grandes cavidades. A água encheu as fendas ocas, fazendo-se os mares e oceanos, em cujas profundezas Olocum foi habitar. Do que sobrou da inundação se fez a terra.

Na superfície do mar, junto a terra, ali tomou seu reino Iemanjá, com suas algas e estrelas-do-mar, peixes, corais, conchas, madrepérolas. Ali nasceu Iemanjá em prata e azul, coroada pelo arco-íris de Oxumaré. 

Olodumaré e Iemanjá; a mãe dos Orixás; dominaram o fogo no fundo da Terra e o entregaram ao poder de Aganju, o mestre dos vulcões, por onde ainda se respira o fogo aprisionado.

Eles apagaram o fogo que se consumia na superfície do mundo e com suas cinzas Orixá Ocô fertilizou os campos, propiciando o nascimento das ervas, frutos, árvores, bosques, florestas, que foram dados aos cuidados de Ossaim.

Nos lugares onde as cinzas foram escassas, nasceram os pântanos e nos pântanos, a peste que foi doada pela mãe dos Orixás ao filho Omulu.

Iemanjá encantou-se com a Terra e a enfeitou com rios, cascatas e lagoas. Assim surgiu Oxum, dona das águas doces.

Quando tudo estava feito e cada natureza se encontrava na posse de um dos filhos de Iemanjá, Obatalá, respondendo diretamente às ordens de Olorum, criou o ser humano. E o ser humano povoou a Terra. E os Orixás pelos humanos foram celebrados.

2)Iemanjá é nomeada protetora das cabeças

Dia houve em que todos os deuses deveriam atender ao chamado de Olodumaré para uma reunião. 

Iemanjá estava em casa matando um carneiro, quando Legba chegou para avisá-la do encontro. Apressada e com medo de atrasar-se e sem ter nada para levar de presente a Olodumare, Iemanjá carregou consigo a cabeça do carneiro como oferenda para o grande pai. Ao ver que somente Iemanjá trazia-lhe um presente, Olodumare declarou:

“Awoyó orí Dori re”.

“Cabeça trazes, cabeça serás”.

Desde então Iemanjá é a senhora de todas as cabeças.

PONTO DE CHAMADA  

OH QUE BARCO TÃO LINDO
QUE VEM SOBRE AS ONDAS DO MAR

ELE TRAZ AS VIBRAÇÕES
DE NOSSA MÃE IEMANJÁ (BIS)

IEMANJÁ, IEMANJÁ
ELA É A RAINHA DO MAR (BIS)